Horário de atendimento: de Segunda a Sexta, das 8:00h as 18:00h
Leia nossos

ARTIGOS

Mitos e verdades sobre o câncer de mama

Por : em : 24 de outubro de 2018 comentários : (0)

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum entre as mulheres no Brasil e no mundo. De acordo com o INCA, está estimado para 2018 o diagnóstico de 59.700 novos casos. Especialmente durante o Outubro Rosa, muito se fala a respeito do câncer de mama. Mas nem tudo é real. Por isso, apresentamos alguns mitos e verdades sobre a doença.

A maior parte dos tumores nas mamas é descoberta pelas próprias mulheres.

VERDADE. O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura. Todas as mulheres, independentemente da idade, devem observar o próprio corpo para saber o que é e o que não é normal em suas mamas. Se você ainda não viu, confira o passo a passo para realizar o autoexame.

Autoexame - passo 1

Prótese de silicone dificulta o diagnóstico de câncer de mama.

MITO. Com os recursos disponíveis hoje – exame físico, mamografia, ultrassom e ressonância – é possível contornar a dificuldade que a prótese poderia impor.

Uso de anticoncepcional aumenta o risco de câncer de mama.

anticoncepcionalCONTROVERSO. Não existem, até o momento, estudos contundentes que comprovem que quem usa anticoncepcional oral tem maior risco de desenvolver a doença.

A polêmica foi acentuada com um estudo publicado na conceituada revista científica New England Journal of Medicine, realizado na Dinamarca com usuárias de anticoncepcionais hormonais com relação ao seu risco específico de câncer de mama em comparação com mulheres não usuárias destas medicações. No total, envolveu 1,8 milhão de mulheres dinamarquesas com idades entre 15 e 49 anos. Seus resultados mostram pequeno aumento no risco de câncer de mama em usuárias de anticoncepcionais hormonais. O uso de qualquer tipo de anticoncepcional hormonal se associou a 1,3 novos casos de câncer de mama para cada 10.000 mulheres ao ano.

No entanto, a mesma revista publicou outro estudo, coordenado pelo Centers for Disease Control and Prevention (CDC) nos Estados Unidos da América. Este abrangeu usuárias atuais e ex-usuárias de anticoncepcionais orais com idades variando entre 35 e 64 anos de idade (4.575 com câncer de mama e 4.682 controles). O resultado mostrou que o risco relativo de câncer de mama não se alterou em comparação com as não usuárias.  A Sociedade Brasileira de Mastologia se posicionou formalmente após a publicação do primeiro estudo indicando que as pacientes em uso de anticoncepcionais não devam parar seu tratamento devido a estes resultados, haja vista existem vários fatores confusionais e o aumento do risco demonstrado foi muito pequeno.

Reposição hormonal aumenta o risco de câncer de mama.

VERDADE. A Terapia de Reposição Hormonal (TRH), principalmente a terapia combinada de estrogênio e progesterona, está associada com aumento do risco do câncer de mama. A cada 10 mil mulheres que fazem uso da reposição hormonal combinada, há aumento de oito casos de câncer de mama. Assim, a sua indicação deve ser discutida com o médico. Nas situações em que a TRH é realizada o risco elevado de desenvolver câncer de mama diminui progressivamente após a sua suspensão.

Alimentação e exercícios físicos podem ajudar a evitar o surgimento do câncer de mama.

VERDADE. Cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados com a adoção de hábitos saudáveis, como:

  • Praticar atividade física regularmente;
  • Alimentar-se de forma saudável;
  • Manter o peso corporal adequado;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Amamentar.

Hereditariedade é o principal fator de risco para câncer de mama.

MITO. Estudos comprovam que apenas 5% a 10% de casos têm de fato na sua base uma composição genética familiar. Ou seja, a maioria dos casos de câncer de mama é causada por tumores esporádicos, que acontecem ao acaso. Testes genéticos podem ser realizados em mulheres com alto risco de mutações associadas ao câncer de mama.

A mamografia deve ser feita a partir dos 40 anos mesmo sem casos na família.

VERDADE. A idade é um dos mais importantes fatores de risco para o câncer de mama. Quatro em cada cinco casos da doença ocorrem após os 50 anos. Por isso, o público prioritário para a realização do exame pelo Sistema Único de Saúde é entre 50 e 69 anos. Contudo, a recomendação da Sociedade Brasileira de Mastologia é para que as mulheres realizem a mamografia anual a partir dos 40 anos, mesmo sem sintomas ou em mulheres sem histórico familiar.

Caso tenha outras dúvidas a respeito do câncer de mama, envie para a gente nos comentários.

REFERÊNCIAS:

Ministério da Saúde – #FAQMS | Perguntas frequentes sobre câncer de mama
INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva) Câncer de mama
Bem-Estar (TV Globo) Outubro Rosa: prótese de silicone atrapalha o diagnóstico de câncer de mama? | Outubro Rosa: anticoncepcional aumenta o risco de câncer de mama?
FEBRASCO (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia) Posição da Febrasgo sobre Anticoncepcionais hormonais e risco de câncer de mama
SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia)  Hereditariedade não é o principal fator de risco para casos de câncer de mama

Deixe uma resposta